Prezado (a) iteano (a), precisamos da sua ajuda.

Historicamente, alunos considerados inaptos para o CPOR têm tido sua matrícula recusada pelo ITA. Entretanto, conseguem ser admitidos por ordem judicial, visto que a vinculação da formação militar e matrícula no ITA não se encontra adequadamente normatizada.

Agora, por meio do projeto de lei PL5011/2020, em seu artigo 6º, o Comando da Aeronáutica propõe o veto à matrícula de alunos que não se mostrarem aptos ao serviço militar.

Essa propositura acaba com a possibilidade desses alunos cursarem o ITA mediante liminar obtida judicialmente. O ITA não foi consultado sobre o PL ou seu teor.

Você pode acessar o projeto clicando AQUI

Estamos mobilizando os iteanos a fim de propor uma emenda que considere o CPOR obrigatório apenas para alunos não optantes pela carreira militar que sejam aprovados no exame médico. O impacto é que todos os anos, alguns alunos cursariam o ITA sem o CPOR, a exemplo de vários colegas já formados.

Você pode assinar a nossa proposta de alteração do PL501/2020 clicando no link abaixo:

http://chng.it/wjCnnm6j82

Contamos com a sua valiosa participação para que o Brasil não desperdice talentos que poderiam ser formados no ITA e que não impactariam de maneira nenhuma as necessidades do Comando da Aeronáutica.

Mais do que formar engenheiros para a FAB, o ITA forma engenheiros – “técnicos competentes e cidadãos conscientes” – para o País.